terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Ainda madrugada

Novembro 2008. Sentadinha na cadeira de lona preta na sala de televisão mamãe reclama do Natal que se aproxima. Dedé no sofá, eu num banquinho a seus pés ouvimos as suas lamúrias sobre a festa que se prenuncia. Papai gostava de Natal e festas, mamãe fazia a sua vontade. Se dependesse dela nenhuma palha se moveria no presépio com figuras antigas de ceramica que todo ano montava embaixo da árvore prata com bolas azuis. Nada de de presentes, comilanças, nem o desafinado coral familiar puxado por papai cantando Noite Feliz antes da ceia. Mas na hora da festa ela parecia feliz. Nunca soube se realmente era. Mas naquela tarde de novembro enquanto falavamos do Natal ela disse num tom muito familiar que não queria festa, estava velha e cansada. Aleguei que a festa poderia ser suspensa, mas com um jeito de olhar e falar que conheciamos tão bem, disse que não podia contrariar o desejo do Alceu. Não mais o Alceu marido mas agora o Alceu Filho, " o meu tudo" como gostava de afirmar. Sugeri que ficasse quietinha no quarto enquanto a festa durasse. No maximo 4 horas e tudo teria acabado, e ela disse que tambem não podia. E foi diante deste dilema que tambem com seu jeito tão particular levantou os braços para o alto e disse : " mas Deus vai me ajudar, eu vou morrer antes do Natal e não vai ter festa!"
Ate agora nem sei como num impulso retruquei :
Ora mamãe, quanta pretensão achar que só por que a senhora vai morrer não vai ter Natal. O Natal acontece com ou sem a senhora.
Nem ela nem a Dedé imaginavam este meu ataque. Falta de educação contestar a mãe, mas quase aos 60 me achava no direito.
Ela me encarou bem com seus olhos pequenos e determinou:
Então eu vou morrer no inicio de janeiro. Começava assim o mais louco diálogo de minha vida.
Não vai não mamãe, em janeiro eu faço 60 anos e como vai estragar minha festa ?
Então eu morro em fevereiro.
Ora mamãe, fevereiro tambem não dá. Vou estar trabalhando no navio do Roberto e ja imaginou ter que parar o navio para eu descer e vir ao seu enterro ? Vamos combinar o seguinte : a senhora fica bem boazinha ate maio, seu aniversario de 90 anos, depois disso a gente conversa de novo.
Mamãe aceitou a proposta e ficou boazinha ate o dia do seu aniversario. Como sempre não queria festa, com insistentes apelos acabou concordando em fazer uma feijoada para reunir os filhos. Mas na madrugada do dia da festa caiu ao ir ao banheiro. A osteoporose silenciosa quebrou a cabeça do femur. Foi para o hospital, dias depois a cirurgia para colocaçao de uma protese e mamãe não mais se levantou. Foi se definhando e acho que esta em vias de realizar seu desejo com um ano de atraso. Este ano não vai ter Natal. Ao menos na minha familia.
Aeroporto de Porto Seguro 2h55 da madrugada.

Léa Penteado enviado do meu Blackberry

Um comentário:

  1. "Ainda Madrugada", texto emocionante. Como dizia Gonzaguinha "É a vida, é bonita, e é bonita". Parabéns Lea pela vitalidade que demonstra. Queria poder conversar muito com você. Pessoas iluminadas nos fazem crescer em todos ops aspectos. Maria José maryvasconcelos@terra.com.br

    ResponderExcluir